domingo, 20 de janeiro de 2013

aqueles olhos.

Entendo seus olhos azuis. Oceânicos. As coisas ficam mais leves. O mundo mais devagar. E eu fico boba, sei que posso me afogar e ainda assim quero olhar.
 É, a genética faz seus sentidos.