quarta-feira, 14 de março de 2012

Coração de boneca valente.

O dia passa quente,
a vida corre por vezes fria.
Minh'alma dói de tão ardente.

O coração reclama,
a noite já está caída.
Poesias a lua proclama
e Ismália está de partida.

Versos poéticos em olhos céticos,
embora tenha todos sonhos do mundo.
Não ligo para discursos dialéticos,
fico bem com meu jeito de nobre vagabundo.

Gosto de cores,
sofro demais por amores.
E para minha linda menina,
deixo aqui blues e flores.

terça-feira, 6 de março de 2012

Solitada.

Solidão lotada, solitada. A garota criou essa palavra quando percebeu que precisava de alguma coisa para definir o estado constante que ela permanecia e que ninguém jamais definiu. Dentro dela existia inúmeras pessoas com suas diversas facetas, mas nenhuma delas conseguia preencher o vazio que a falta de outras pessoas causava. Era como se seu pequeno corpo fosse capaz de abrigar  um universo inteiro, e dentro desse universo abrigasse um abismo infinito. Depois de anos passando por isso, ela encontrou uma definição plausível. Não era amargo nem doce, frio nem quente, era apenas pesado.
E ter encontrado alguém que a fizesse sorrir e ela pudesse retribuir essa mesma sensação, a fez pensar que existe algo de maravilhoso em ser humano.